Monumento à Independência

SP da história

image

(Obra de Ettore Ximenez feita em 1921. O artista usou 131 peças esculpidas em bronze. O monumento foi dedicado à Independência do Brasil de Portugal. Nele, encontra-se a Capela Imperial com a cripta e despojos de Dom Pedro I e da princesa Leopoldina ~ Foto: Reprodução / Fonte: saopaulo.sp.gov.br)

Uma das mais belas recordações históricas de São Paulo, o Monumento à Independência, homenageia um importante momento vivido pelo nosso país no ano de 1822. Criado no ano de 1922 como parte das comemorações do centenário da emancipação política nacional, a linda estátua surgiu de uma maneira curiosa: um concurso, organizado pelo estado, pedindo a participação de artistas brasileiros e estrangeiros que apresentaram diversos projetos e maquetes.

Os finalistas se apresentaram no Palácio das Indústrias e o meio intelectual brasileiro fez várias críticas à realização do concurso, contestando, inclusive, a participação de estrangeiros e, até mesmo, a composição da comissão julgadora dos projetos. Passados esses momentos de tensão, o país ficou sabendo que Ettore Ximenes, um artista italiano, saiu vencedor do concurso sem ter a aprovação unânime da comissão que pediu algumas alterações para inserir elementos representativos da história nacional.

image

O escultor italiano Ettore Ximenes, que entre 1919 e 1926 residiu no Cambuci em São Paulo, onde trabalhou com o arquiteto Manfredo Manfredi no “Monumento à Independência” ~ Fonte: Wikipedia / Foto: fotografia.iccd.beniculturali.it

 

 

 

 

 

O projeto do italiano foi alterado e alguns episódios e personalidades acabaram incluídas na obra. Lembranças da Revolução Pernambucana de 1817, a Inconfidência Mineira de 1789, as figuras de José Bonifácio de Andrada e Silva, Hipólito da Costa, Diogo Antonio Feijó e Joaquim Gonçalves Ledo, principais articuladores do movimento.

image

(Lateral esquerda: grupo escultórico representando Os Inconfidentes Mineiros de 1789 ~ Foto e Fonte: Wikipedia)

image

(Lateral direita: grupo escultórico representando Os Revolucionários Pernambucanos de 1817 ~ Foto e Fonte: Wikipedia)

Mesmo sem estar concluído, o monumento foi inaugurado no dia 7 de setembro de 1922, ficando completamente pronto somente quatro anos depois. Com o passar dos anos, o monumento sofreu acréscimos: em 1953, uma cripta foi construída em seu interior, onde foram depositados os restos da Imperatriz Leopoldina um ano depois; em 1972, os restos de Dom Pedro I chegaram ao local e, em 1984, os restos de D. Amélia, a segunda imperatriz do Brasil se juntou aos outros dois. Vale o destaque que, alguns desses acréscimos, foram sugeridos por nomes como: Ramos de Azevedo, Adolfo A. Pinto e Vitor Freire.

image

(Vista da urna que abriga os restos mortais de D. Pedro I, ao lado do tumulo de Dona Amélia, sua segunda esposa, no subsolo do monumento ~ Foto e Fonte: Wikipedia)

No ano 2000, a fim de criar um espaço de visitação pública ao interior da obra, a estátua foi mais uma vez modificada através do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH).  O trabalho foi focado nas alterações dentro do monumento e foram concebidos novos acessos da Capela Imperial, construção da escada, sanitários, áreas de apoio e serviços.

Externamente foram restaurados os grupos escultóricos do monumento e o painel em alto-relevo, “Independência ou Morte”, recebeu intervenções para a sua conservação com o passar do tempo.

image

(Face frontal: painel em alto-relevo denominado “Independência ou Morte”; e no topo, grupo triunfal ~ Foto e Fonte: Wikipedia)

 


Abrahão de Oliveira é jornalista e colaborador da seção histórica do São Paulo da garoa. Ele também é o idealizador do portal São Paulo In Foco, voltado para o resgate da memória da cidade.

The following two tabs change content below.
Redação SP da garoa
São Paulo da garoa, São Paulo, que terra boa! Tudo sobre cotidiano, cultura, história, turismo e gastronomia da nossa terra da garoa.
Redação SP da garoa

Latest posts by Redação SP da garoa (see all)

Comentários

Comentários

Tagged